Da Página do MST


Marina dos Santos, da coordenação nacional do MST em Brasília, recebeu na noite desta quarta-feira (10), a medalha da Escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro (EMERJ), em reconhecimento aos relevantes serviços prestados à sociedade brasileira e ao poder judiciário.


O juiz e membro do fórum de Direito e Psicanálise da EMERJ, Rubens Casara, ressaltou a importância de homenagear uma figura que representa a Reforma Agrária, uma das lutas mais legítimas e urgentes do país.


“A Marina sempre esteve presente na EMERJ, foi pioneira em um dos nossos cursos que buscava priorizar a função social da magistratura. Por nos trazer a questão agrária, bandeira levantada pelo MST, ela colaborou com a formação de juízes mais comprometidos com o povo brasileiro e suas lutas”.


Casara afirmou que a escolha de Marina também representa a atenção da magistratura pelas lutas do campo, palco histórico das desigualdades sociais brasileiras.


“Não podemos pensar em reforma de um projeto constitucional sem falar em Reforma Agrária. Isso é fator determinante para que possamos avançar em outras esferas de luta. Entender isso é legitimar a questão da terra no país”, finaliza. 


Para Marina, o reconhecimento da magistratura do Rio de Janeiro representa uma vitória na luta do Movimento perante o tribunal conservador brasileiro.


“É o reconhecimento de uma luta árdua. Criar espaços dentro de setores conservadores como a magistratura brasileira é fundamental para que possamos seguir firme com o nosso propósito. A Reforma Agrária é demanda urgente desse país, e, para tanto precisamos do apoio de todas as esferas políticas, jurídicas e sociais”, diz.