Por Comunicação Via Campesina 
 

Da  Página do MST


safe_image.php.jpg“Lutar para ver se a conseguimos mais igualdade econômica, social e política na sociedade brasileira”,  ressaltou Ermínia Maricato, professora da Universidade de São Paulo, no 14° acampamento Latino-americano da juventude Cloc-Via Campesina.

Ermínia participou da mesa de debate sobre o “Impacto e o avanço do capital sobre a juventude e as alternativas”, onde enfatizou o desafio dessa nova geração da juventude para com as lutas populares.
 

Para Maricato um dos desafios dessa nova geração é lutar contra o poder dominante. “Antes de tudo impedir governos ditatoriais, impedir uma regressão para uma situação de violência institucional, tortura e morte”,  salientou a professora.
 

De acordo Ermínia, o impacto que o capital causa sobre a juventude, onde o mercado de consumo molda a consciência das pessoas que acabam tendo necessidades que são criadas. “Esse processo de criação é predatório não só em relação a cultura tradicional, histórica, mas especialmente pela natureza”, completou.
 

Juventude do campo e da cidade
 

O acampamento faz parte do processo de articulação da juventude do campo e da cidade latinoamericana que há treze anos vinha sendo realizado na Argentina. Esta é a primeira vez que o evento foi sediado em outro país.
 

Para Erminia Maricato essa luta conjunta de campo e cidade é fundamental para uma nova sociedade, pois vivemos em uma democracia frágil em que o poder econômico é dominante.