Da Página do MST*


Na semana passada, em Bruxelas, o Parlamento Europeu votou o novo texto que reintroduziu o direito dos Estados Membros uma base jurídica sólida que lhes permita proibir, nos seus territórios, o cultivo de Organismos Geneticamente Modificados (OGM).


A Comissão Meio Ambiente do Parlamento emendou o acordo alcançado pelo Conselho da UE em junho, que continha muitas falhas e era contrário ao voto expresso no Parlamento anterior. 


As alterações melhoram o texto deixando para trás a orientação pró-OGM, que tinha sido o resultado da pressão do governo britânico.


Com o novo texto, os Estados-Membros poderão proibir o cultivo de organismos geneticamente modificados por razões ambientais, e limitou o papel central que os ministros da UE queriam dar às empresas de biotecnologia.


A questão não está concluída. O Parlamento, a Comissão e os governos, nas próximas semanas, deverão efetivamente iniciar as negociações, para que o texto definitivo da nova lei possa finalmente ser realizado.


O papel da presidência italiana será decisivo para fazer com que a proposta de lei não seja adulterada e o texto não se transforme em um cavalo de Tróia durante as negociações em sede européia.


*Com informações do Greenpeace