Da Página do MST 


“Arroz deu cacho e o feijão floreou!”, diz a canção do MST, anunciando que a fartura do campo mais uma vez promete ocupar o Centro de Arapiraca, em Alagoas. 


Entre os dias 9 e 11 de outubro, será realizada a 2ª Feira da Reforma Agrária de Arapiraca, segunda maior cidade do estado. O evento ocorre no Parque Ceci Cunha (em frente ao Ginásio João Paulo II), e a abertura será realizada às 18h desta quinta-feira (9).


“Convidamos toda população de Arapiraca e região para se encontrar com a produção de alimentos saudáveis vindo das roças de acampamentos e assentamentos de todo estado, uma prova de que a Reforma Agrária Popular é uma via segura de desenvolvimento para Alagoas, pois alia o trabalho e a divisão de riquezas à produção de alimentos sem agrotóxicos”, disse José Roberto Silva, da direção nacional do MST.


Além da produção de alimentos sem agrotóxicos, em oposição ao modelo de produção de commodities para exportação conduzido pelo agronegócio, os Sem Terra trazem ainda para o Parque Ceci Cunha trabalhos em artesanato, produtos manufaturados em agroindústrias cooperadas, exposições e muita cultura popular. Todas as noites a Praça se torna o palco do Festival de Cultura Popular.


A animação do Festival está por conta de atrações locais e regionais, com destaque para a presença de grupos de forró e o lançamento de dois filmes inéditos na cidade. No dia 10, será lançado o filme “O Veneno está na mesa 2”, do cineasta Silvio Tendler. Já no dia 11 o MST lança sua mais nova produção documental sobre a luta pela Reforma Agrária Popular no em Alagoas. A programação cultural começa sempre a partir das 17h.


Na Feira, além dos produtos livres de agrotóxicos, as famílias da cidade podem encontrar os alimentos abaixo do preço comum de mercado, já que se elimina a figura do atravessador, que ora lucra sobre agricultores, ora sobre as famílias consumidoras. “Aqui na feira a venda é direta, do trabalhador do campo para a mesa do trabalhador da cidade”, ressalta José Roberto.


A Feira da Reforma Agrária é uma iniciativa do MST em Alagoas que completa 15 anos de edições na capital Maceió e comemora sua segunda edição na capital do Agreste. 


Seu principal intuito é potencializar o diálogo com a sociedade sobre os malefícios do agronegócio e sobre as potencialidades da agricultura camponesa para solucionar, com a divisão dos latifúndios, os problemas enfrentados no campo e na cidade.