Da RBA


Começou ontem (8) a apuração dos votos do Plebiscito Popular, que, na semana passada (de 1º a 7), consultou a população sobre a formação de uma Assembleia Constituinte exclusivamente para tratar da reforma política. O resultado deve sair no próximo dia 21 e a contagem será feita pelos comitês envolvidos na campanha, que devem apurar os votos em todos os estados da federação.


Ao todo, 40 mil urnas foram instaladas no país, em mais de 4.500 municípios, com a pergunta: "Você é a favor de uma Constituinte Exclusiva e Soberana sobre o sistema político?" A expectativa da campanha é que a consulta tenha superado 10 milhões de votos. Também foi possível votar pela internet mas, por conta de sobrecargas no site e ataques de crackers, a votação eletrônica foi prorrogada até ontem à noite.


Paola Estrada, da Secretaria Operativa Nacional do Plebiscito Popular da Constituinte, conta que cerca de 100 mil militantes e ativistas voluntários em todo o país se mobilizaram para conversar com a população sobre a importância da reforma política. "Foi muito positivo, percebemos como o povo está aberto para a discussão política e debate da reforma política", afirma em entrevista à Rádio Brasil Atual.


Além disso, Paola indica que o acesso ao site do plebiscito e às redes sociais da campanha, como a página do Facebook, alcançou "muita gente" e foi um diferencial em relação a consultas populares anteriormente realizadas no Brasil.


A militante diz que o próximo passo da mobilização, após a apuração dos votos, será entregar o resultado à presidenta Dilma, ao Congresso Nacional e também ao Supremo Tribunal Federal (STF). "A nossa ideia é pressionar principalmente o Legislativo e vamos continuar na luta pela Constituinte", afirma.


Os comitês da campanha, espalhados por todos os estados brasileiros, são formados por cerca de 450 organizações, entre sindicatos, movimentos sociais e partidos políticos. As urnas foram instaladas em escolas, sindicatos, associações e igrejas.


Durante a Semana da Pátria, diversos movimentos sociais estiveram mobilizados na coleta de votos. No Dia da Independência, domingo (7), a 20ª edição do Grito do Excluídos se uniu ao Plebiscito Popular. A marcha ocorre em várias regiões do país e protesta contra as injustiças sociais e neste ano exigiu a reforma política. O Grito dos Excluídos foi criado em 1994 pela igreja católica.


A principal bandeira defendida pelas entidades participantes do plebiscito é que a reforma política possa estabelecer o fim do financiamento privado de campanhas eleitorais.


A presidenta Dilma, após a série de manifestações populares em junho do ano passado, encaminhou ao Congresso uma proposta de reforma política com a realização de um plebiscito sobre a formação de uma Constituinte exclusiva para o tema. A ideia, no entanto, foi vetada por setores conservadores do Congresso. Com isso, os movimentos sociais decidiram, em plenária nacional, em setembro de 2013, assumir a execução do plebiscito.