Por Solange Engelmann
Da Página do MST


Na tarde desta quarta-feira (20), um grupo de 50 trabalhadores e trabalhadoras do MST dos três estados do Sul do país participou do lançamento da Campanha de Ajuda Humanitária à Faixa de Gaza, no Palácio Piratini, em Porto Alegre (RS).


A campanha, promovida pelo governo do Estado, teve como finalidade auxiliar financeiramente a reconstrução do território palestino, que teve sua infraestrutura abalada nos recentes ataques de Israel à Faixa de Gaza.


Durante o lançamento da campanha, o embaixador da Palestina, Ibrahim Alzeben, agradeceu a solidariedade do governo e do povo gaúcho no socorro à população e na reconstrução de seu país.


Ibrahim também enfatizou a necessidade de apoio do Brasil na Organização das Nações Unidas (ONU) para a criação de um Estado Palestino. “Essa situação já se converteu em uma questão humanitária. Não vai existir paz na região enquanto o povo Palestino não tiver seu próprio território”, denunciou o embaixador.


O governador Tarso Genro ressaltou a importância das entidades civis em apoiar a campanha. “Essa é uma campanha com uma dimensão humanitária e política que deve transcender nas relações entre os povos e sinalizar para a busca de uma paz justa e respeitosa entre a Palestina e Israel”, disse o governador.


Desde 1948, Israel utiliza a força militar na tentativa de impedir a criação do Estado palestino. Segundo informações do Ministério da Saúde da Palestina, o número de mortos no último conflito já ultrapassou 2 mil pessoas, a maioria civis.


As doações serão arrecadas através de uma conta do Banrisul, agência nº 0100, conta corrente nº 03.358022.0-6. O recurso obtido será repassado para as instituições da ONU que trabalham em Gaza.


Em solidariedade ao povo Palestino, Tarso Genro hasteou a bandeira do Estado Palestino no Palácio Piratini.


Segundo a Federação Árabe-Palestina do Brasil (Fepal), cerca de 30 mil imigrantes, refugiados ou descendentes desta comunidade vivem no Rio Grande do Sul, distribuídos por várias cidades, especialmente na fronteira, como Uruguaiana, Santana do Livramento, São Borja, Itaqui, Rosário do Sul, Bagé, Pelotas, Rio Grande, Passo Fundo, Santa Maria, além da capital e Região Metropolitana.