Por Maura Silva
Da Página do MST


Seguindo a onda dos alimentos transgênicos, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Empraba) se prepara para lançar uma nova variedade da hortaliça mais consumida no mundo, a alface. 


Pesquisadores afirmam que a verdura, que está prevista para chegar à mesa dos brasileiros em 2021, poderá conter até 15 vezes mais ácido fólico. 


Também conhecido como vitamina B e M, o ácido fólico é responsável pela formação de proteínas estruturais e hemoglobina. 


A falta dessa vitamina em indivíduos em formação pode causar problemas como a anencefalia, a ausência parcial do encéfalo, espinha bífida, formação incompleta da medula espinhal, e fissura labiopalatal, mais conhecido como lábio leporino. Já em adultos o ácido fólico ajuda no combate de anemias, hipertensão, doenças cardíacas, além de reduzir os riscos de derrames cerebrais e Alzheimer. 


Embora os defensores dos transgênicos afirmem que os avanços na engenharia genética de alimentos possa, dentre outras coisas, ajudar no combate à fome, muitas são as questões a serem discutidas sobre o assunto. 


Para Leonardo Melgarejo, engenheiro agrônomo e ex-membro da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) – órgão ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) que delibera sobre a produção e comercialização de transgênicos no Brasil –, um dos grandes problemas é o marketing da expectativa criado em relação a esses supostos alimentos milagrosos. 


A alface modificada para uma mulher grávida, por exemplo, seria recomendada devido à grande quantidade de folato presente na folha. Mas essa mesma quantidade de vitaminas pode ser obtida com a variação de outros alimentos como brócolis e espinafre.    


Para Melgarejo, a transgenia é dispensável para resolver deficiências alimentares. “Basta uma alimentação variada e saudável para que o corpo receba todos os nutrientes responsáveis por um bom funcionamento”. 


Outro fator negativo é a superdosagem de um determinado alimento. “O excesso de vitaminas, quando não absorvido pelo organismo, é excretado pela urina, ou seja, o consumo desequilibrado pode causar desde o desperdício até a dependência na medida em que se acredita que o consumo excessivo e não uma combinação variada é o correto”.


Melgarejo aponta que há outros caminhos possíveis para resolver problemas como a má formação da medula espinhal em fetos. Exemplo disso seria uma alimentação saudável, orgânica e sem venenos. 


“O Brasil não precisa investir tanto, como vem fazendo, em pesquisas de transgenia. A Empraba tem linhas de trabalho na área de produção orgânica que são excelentes. O Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) - que tem como objetivo promover o acesso de alimentos orgânicos às populações em situação de insegurança alimentar -, é muito mais útil do que o alface transgênico. Com programas como esse estimulamos a agricultura orgânica, a boa alimentação nas escolas, pontos de vendas de produtos sem veneno e etc”. 


Na opinião de Melgarejo, a disputa por notoriedade entre os pesquisadores é outro tema a ser debatido. “Ser o primeiro a apresentar o feijão modificado talvez tenha sido um dos motivos que levou à Embrapa a não dar tanta importância para estudos nutricionais em longo prazo. Aconteceu com o feijão (primeiro alimento a ser modificado pela empresa) há três anos, e agora com a alface”.


Mercado dos transgênicos 


Para exemplificar a relação entre os alimentos com base orgânica e a saúde humana, o pesquisador lembrou a cidade de Veranópolis, no Rio Grande do Sul, apontada com a maior longevidade do estado. 


O motivo, segundo o pesquisador, é o cultivo de hortas domésticas pelos moradores. “A longevidade humana caminha na contramão das dependências dessas transformações. As regiões onde as pessoas vivem mais e melhor são as que estão longe dos agrotóxicos, locais em que a biotecnologia ainda não entrou como nas áreas onde a qualidade de vida decresce e o número de doenças se amplia”. 


Entretanto, Melgarejo não descarta a biotecnologia enquanto uma ciência com grandes possibilidades de ajudar a humanidade, mas aponta o fato do mercado de produtos geneticamente modificados ter tomado conta desse campo científico. 


“Estão sendo disponibilizadas promessas não testadas o suficiente, e essa distorção gerou uma corrida por produtos para serem colocados nas prateleiras dos supermercados. Isso compromete a ideia básica de que o campo da ciência tem muito a oferecer”, coloca. 


“O mercado está dominado por interesses a curto prazo. Se aproveitam da perspectiva da sociedade em torno do que a ciência oferece. É a teoria da ‘demanda induzida’: cria-se a demanda em cima da expectativa positiva gerada sobre um produto que ainda não foi lançado. Estamos em 2014 falando de um alimento que será lançado em 2021, ou seja, a partir de agora já está sendo criado um marketing de aceitação em cima desse produto”, conclui o pesquisador.