Da Página do MST 


Mais de 2 mil trabalhadores e trabalhadoras do MST, Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) e Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar (Fetraf) ocuparam quatro agências da Caixa Econômica Federal, na manhã desta terça-feira (29), no Rio Grande do Sul.


As ocupações foram realizadas nos municípios de Pelotas, Três Passos, Santa Maria e Passo Fundo, nas regiões Centro, Sul, Norte e Noroeste.


Os trabalhadores Sem Terra exigem a liberação de recursos do Programa Minha Casa Minha Vida para o meio rural.


No final do ano passado, o governo federal deslocou os recursos do crédito habitação no campo, do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) para o Programa Minha Casa Minha Vida, administrado pela Caixa Econômica Federal. A partir disso, todos os recursos de habitação destinados aos assentamentos foram cortados pelo governo federal.


Segundo, dirigente nacional do MST, Cedenir de Oliveira, somente a demanda de habitação dos assentamentos do MST no RS é de 1.300 projetos para a construção de novas casas nos assentamentos.


As ações fazem parte da Jornada Nacional de Lutas pela Reforma Agrária, que este ano concentra a maior parte de suas ações entre os dias 28 a 10 de maio, ao relembrarem os 18 anos do Massacre de Eldorado dos Carajás, quando 21 trabalhadores rurais Sem Terra foram brutalmente assassinados pela Polícia Militar, no município de Eldorado dos Carajás, no Pará, em 1996.