Por Rafael Soriano
Da Página do MST 


Milhares de trabalhadores rurais em todo estado de Alagoas realizam diversas mobilizações, nesta segunda-feira (14), com ocupações de diversos espaços nos municípios alagoanos.


As ocupações trazem reivindicações por estruturas físicas e sociais para os assentamentos. A mobilização é o início da Jornada de Lutas de Abril, realizada todo ano pelo MST.


Dentre as reivindicações para os assentamentos, estão demandas como melhoria nas estradas, demarcação topográfica, regularização de assentados e infraestruturas
sociais e produtivas.


No centro da pauta está a cobrança do início das obras que levará água do Canal do Sertão para os assentamentos da região do sertão.


Em 2012 o governo do estado, por meio da Secretaria de Infraestrutura, firmou o compromisso que o projeto seria elaborado e licitado no ano de 2013 e as obras iniciariam em março de 2014.


O Movimento realiza ainda um bloqueio no canteiro de obras do Canal do Sertão, na cidade de Inhapi. Perto dali, mais de 2000 famílias aguardam no acampamento Nelson Mandela a posição do governo estadual para serem assentadas, promessa feita em nome do governador Téo Vilela, em novembro do ano passado.


Ocupações

As atividades iniciaram nas prefeituras de Flexeiras, Olho D´Água do Casado e Pão de Açúcar, que estão ocupadas pelos trabalhadores rurais. Eles solicitam audiências para apresentarem suas pautas e encaminharem resoluções para a vida nos assentamentos.


Em Maceió, centenas de trabalhadores vindos de assentamentos de Atalaia ocupam o prédio do Departamento de Estradas e Rodagens (DER-AL).


Para Débora Nunes, da coordenação nacional do MST, esse é “mais um momento de luta dos trabalhadores Sem Terra, em memória aos assassinatos no campo, denunciando a violência e a impunidade do latifúndio".


Além disso, as mobilizações também visam denunciar o descaso dos governos – municipal, estadual e federal -  com a Reforma Agrária e as condições para os que vivem no campo.


“Queremos contribuir com um tipo de desenvolvimento que possibilite a produção de alimentos saudáveis  e a produção de vida, num campo com gente, com jovens, homens e mulheres que resistem a falta de políticas públicas e investimentos que priorize a pequena agricultura no Brasil e em Alagoas”, afirmou Débora.


Mês de luta

Todos os anos, o MST realiza a Jornada de Lutas de Abril, em memória ao Massacre de Eldorado dos Carajás, quando a força policial cercou militantes do Movimento que estavam em marcha em direção a Belém (PA), pela conquista da fazenda macaxeira.

 

O crime policial, ocorrido na Curva do “S”, ficou internacionalmente conhecido e hoje sua data é o Dia Internacional da Luta Camponesa, organizado pela Via Campesina em todo planeta.