Por Marilene Nascimento
Da Página do MST


Na véspera do Dia Internacional da Mulher, as escolas do assentamento Marrecas (PI), Amadeus Carvalho e Paulo Freire, realizaram seminários nesta sexta-feira (7) sobre a luta das mulheres ao longo da história, a importância de sua participação na luta por uma sociedade justa e igualitária e os problemas relacionados à violência contra as mulheres.

Na mística de abertura, foram resgatados temas que dizem respeito à violência praticada contra a mulher. “Estamos em pleno século 21, e é preciso acabar com o machismo que só complica a relação social. É preciso igualdade em direitos. Já existem leis contra as agressões à mulher, elas não podem ficar caladas”, explanou o educador Jorge Venceslau.

Já a educadora Vanuza Wanderleia destacou o papel de diversas lutadoras ao longo da história da humanidade, como por exemplo, a trabalhadora Roseli Nunes, morta junto a outros três trabalhadores Sem Terra numa manifestação em Sarandi, no Rio Grande do Sul, no dia 31 de março de 1987.

As mulheres que se dedicaram na construção do assentamento Marrecas, o primeiro assentamento do estado, assim como a construção do próprio MST no Piauí, foram relembradas ao longo da atividade.