Da Página do MST

Neste carnaval, a Unidos da Lona Preta - a escola de samba do MST - segue com uma série de programação para o mês de fevereiro e março deste ano.

A Unidos da Lona Preta, escola de samba que surgiu em 2005 no MST, tem como principais objetivos contribuir com a formação política de seus membros, mostrar que um modelo coletivo de escola de samba é possível, e levar através do samba muita alegria.

Com seu novo samba enredo em que retrata os 50 anos do golpe civil-militar no Brasil, a Unidos da Lona Preta traz essa discussão à tona com o samba: “Lembrar é resistir: nos cinquenta anos do golpe, o povo brasileiro segue em luta e pergunta: o que resta da ditadura?"

Confira abaixo as datas, a letra do samba enredo e sua gravação:


Desfiles da Unidos da Lona Preta 2014:

- 23 de fevereiro - domingo - 13h - na Rua da Abolição, Bexiga

- 28 de fevereiro - sexta - concentração das 16 às 20h, na Grande São Paulo, em local a confirmar

- 02 de março - domingo - Encontro de Batucadas do Povo Brasileiro, na Rua Frederico Brotero, 60 - Bairro Patriarca, 14h
 

 

Unidos da Lona Preta/Carnaval 2014

“Lembrar é resistir: nos cinquenta anos do golpe, o povo brasileiro segue em luta e pergunta: o que resta da ditadura?"

Me embala no teu colo…minha mãe
O sangue no teu solo…não é vão
Um grito forte, já se escuta:
Verás que o MST não foge à luta

Brasil, a luz se apagou
Quando a águia pousou
E espalhou no continente a escuridão
Censura, exílio, clausura
Pra aprofundar um sistema opressor
Milagre econômico: que farsa!!!
“Milágrima” caiu do pau-­‐de-­‐arara
“Caminhando e cantando”
A Lona Preta ”Vai Passar”
Gritando contra a ditadura
‘Cabou o nome, ficou a estrutura

A mãe que perde o filho…resistiu
A voz do oprimido…não calou
Cadê o Amarildo?…que sumiu
O povo perguntou

Setenta neles outra vez Brasil?
A história se repete como taça
Na boca da massa, mordaça e repressão
Fumaça que arde nublando a visão
Direito de classe: tortura e prisão
No campo, na periferia
Democracia sem justiça é mentira
E segue solto o genocida, que ainda vai pagar
Pelos desaparecidos, Pinheirinho e Carajás

E então cantar feliz
Passar a limpo a história
Plantando o futuro do nosso país
Verdade, justiça e memória