Por Viviane Brigida
Da Página do MST


Cerca de 600 Trabalhadores Rurais Sem Terra das áreas de acampamentos e assentamentos do estado do Pará, se deslocam para Brasília para participarem do 6° Congresso Nacional do MST, entre os dias 10 a 14 de fevereiro, no Ginásio Nilson Nelson.

Cerca de 15 mil camponeses e camponesas de todo o Brasil se reunirão em torno da atividade, que contará com debates sobre a Reforma Agrárias, celebração e memória do Movimento, que neste ano completa 30 anos de existência.

O primeiro congresso aconteceu em 1985, em Curitiba, no Paraná, sempre contando com a delegação do Pará em todos congressos realizados. A delegação que participará deste Congresso representará mais de 20 mil famílias ligadas ao MST no Estado.

Para o assentado Ezequias de Lima, este também será um momento de reflexões e denúncias de violações dos trabalhadores rurais. “Serão dias de reencontro de companheiros e de muito debate, pois na Amazônia ainda se encontra a maioria dos conflitos no campo”, acredita o trabalhador.

Castanheiras e Conquistas

Entre os símbolos da história do MST do Pará, os Sem Terra levarão para o congresso imagens que marcam a história do MST na região, entre elas as Castanheiras que simboliza o Massacre de Eldorado dos Carajás ocorrido na curva do “S” em 17 de Abril de 1996, além de fotos das conquistas dos Sem Terra como escolas e produção.

Somado a isso, será construída uma barraca com características regionais da Amazônia, exposição e venda de produtos como o açaí das áreas de assentamentos.

Durante o congresso haverá uma grande feira com produtos levados dos assentamentos do MST de todo Brasil e um ato em defesa da Reforma Agrária com amigos e apoiadores.

Leia mais:
6º Congresso do MST quer recolocar a luta pela terra na agenda do país
Mais de 450 Sem Terra do Maranhão participarão do 6° Congresso do MST
MST recebe homenagem em ato na Câmara dos Deputados