O MST montou um acampamento em Brasília, no dia 5 de março, que ficará por tempo indeterminado. O acampamento conta com aproximadamente 500 pessoas.

Clique aqui para ler mais notícias do acampamento do MST em Brasília

Veja aqui as fotos do acampamento

Mapa de ações no mundo pelo Dia Internacional da Luta Camponesa

Cartaz da jornada da Via Campesina

O acampamento foi montado no contexto da Jornada de Lutas das Mulheres da Via Campesina, que ocorre anualmente no mês de março, e tem como objetivo principal pressionar o governo federal para realização da Reforma Agrária.

Segundo Rosana Fernandes, da coordenação nacional do MST, “o objetivo principal do acampamento é pressionar o governo para que assente as 150 mil famílias acampadas no país”, afirma.

Como alternativa ao modelo de agronegócio, a Jornada defende o modelo de agricultura baseado na produção agroecológica e na defesa da nossa soberania alimentar. Ou seja, defende a realização da Reforma Agrária para desenvolver o país e eliminar a pobreza.

O atual momento político bloqueia a realização da Reforma Agrária, que é chave para a porta do desenvolvimento de uma agricultura saudável e agroecológica. Atualmente 30% dos alimentos consumidos pelos brasileiros são impróprios para o consumo somente por conta da contaminação por agrotóxicos, segundo dados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A produção de alimentos saudáveis e a soberania alimentar é uma pauta defendida pelas camponesas. “Esta é uma pauta que pretendemos manter presente em nossa jornada de luta e o acampamento que permanece em Brasília, por tempo indeterminado, deve dialogá-la inclusive com a sociedade”, ressalta Rosana.

O acampamento não será apenas um espaço de pressão e reivindicação ao governo. De acordo com Rosana, “além da pressão e negociação com o governo, queremos aproveitar a realização do acampamento nacional para dialogar com a sociedade. Mostrar a ela que defendemos o modelo de agricultura agroecológica e por que o defendemos. Queremos também fazer um processo de formação com a militância que estará permanentemente neste acampamento”, comenta.

Hugo Chávez

O Acampamento foi batizado com o nome de Hugo Chávez após a morte do presidente da Venezuela, no mesmo dia de consolidação do Acampamento (5 de março), após um dia intenso de luta na capital federal. O acampamento está localizado na SGON Quadra 1, Setores complementares, ao lado do Incra, SR 28 em frente à Escola de Governo do DF

“A homenagem dos trabalhadores e trabalhadoras rurais Sem Terra é mais do que justificada, uma vez que Hugo Chávez, após ter sido conduzido ao governo da Venezuela pelo povo, com sua intensa coragem, não apenas assumiu um projeto de libertação do povo venezuelano, como também teve a capacidade transformadora de perceber que o capitalismo é um inimigo a ser enfrentado em toda a América Latina, e como tal deve ser enfrentado coletivamente por todos aqueles que se negam a perder a soberania de seu país”, salienta Alexandre Conceição, da coordenação nacional do MST.